As bocas falam

Numa cidadezinha pertinho de algum lugar, elegeram um prefeito que entre outras qualidades, todas comuns aos nossos representantes, homem honesto, de bem, temente a Deus, já estivera também envolvido em algumas denúncias, pequenos equívocos, como gostam de dizer, réu em todos, tais como corrupção passiva e ativa, envolvimento com organização criminosa, direcionamento de licitações e … Continue lendo As bocas falam

Finalmente pax

Tenho de confessar que ainda reluto em falar sobre Geise. Essa coisa de amor é loucura. Primeiro não há o que dizer, as palavras bonitas já vêm sendo espremidas tal qual tubo de pasta em fim de mês há pelo menos desde a bíblia. Falam tanto que esvaziou a essência. Nada tão fácil quanto falar … Continue lendo Finalmente pax

O céu sem poesia é só ciência. O homem também.

Outro dia levei a Lua pra passear, Lua minha salsichinha, como de costume fazemos. Atravessamos um quarteirão e sentamos na mesma praça de sempre, nada anormal. A praça que não é mais praça, agora é um monte de mato com uns tantos bancos também se afundando no mato, ao lado do que um dia foi … Continue lendo O céu sem poesia é só ciência. O homem também.

Sai todo mundo daqui

Sei que está cansativo sempre o mesmo papo sobre amigos e lembranças mais do mesmo. Foi um raio na minha cabeça. Nunca acreditei (ninguém põe muita fé) no papo dos avós, naquilo de que os amigos passam namoradas passam dores felicidades colágeno tudo vai passando até passar. Mas você cresce, se acabam as aulas, uns … Continue lendo Sai todo mundo daqui

Meu tio trotskista e [a galinha d]o partido

Meu tio foi o primeiro comunista da minha vida. Ou quase. Sendo o mais velho dos dois irmãos, se viu adulto antes mesmo das bicicletas e do spider-man. O pai morreu bem cedo, em diversos sentidos: jovem, quase de manhãzinha e com dois filhos miúdos. Morreu como quis: bêbado, na madrugada e depois da putaria. … Continue lendo Meu tio trotskista e [a galinha d]o partido