Uma biografia de Jesus

A primeira mulher que comi tinha quinze anos. Eu tinha quinze anos, não ela. Ela era uma pretona quase-velha que hoje já deve estar morta. Foi num cabaré que ficava de frente da igrejinha pra onde vovó me arrastava alguns domingos. Numa casinha toda ajeitadinha, de portão baixinho roxo e até uma placa de cuidado … Continue lendo Uma biografia de Jesus

Anúncios

O zero e o [quase] nada

Nunca, desde que o mundo é mundo, se viu algo parecido, ao menos nada que tenha sido documentado, pois se tudo o que acontece tivesse suas devidas provas ou testemunhas, mesmo aquelas tratadas como loucas, difícil imaginar quanto perdemos de vista. Como num conto infantil, dizer que aquela porta transportava quem a abrisse ao futuro, … Continue lendo O zero e o [quase] nada

Meritocracia

Menino pobre, destino comum, onde o pai morreu bem cedo, a mãe trabalha o dia inteiro. Dois empregos. Sai de um vai pro outro. No bairro o que se tem varia entre sinuca, maconha e tiro. Nunca ganhou brinquedinhos que estimulam a concentração, livros pra aguçar a criatividade, noites inteiras no mundo da imaginação. Café … Continue lendo Meritocracia

O fim do dia

Pra quem não gosta de spoiler: no final todo mundo morre. Acontece comigo, acontece com você e não importa se é domingo de eleição, um feriado qualquer ou aniversário do Papa. A morte vem e a gente morre. Mas não vamos falar sobre a morte numa linha geral, o assunto aqui é específico. Entrei na … Continue lendo O fim do dia

É vitimismo

Encosta na parede aí rapidinho. Joga boné e mochila no chão. Não vira, porra, olha pra parede. acende um cigarro. Mãos na cabeça. Faz alguma coisa da vida? Cadê a droga? Se não tiver e eu achar, vai ser pior. Abre as pernas. DIREITO, PORRA, tá assado? soco no saco. Tira o sapato. Dá o … Continue lendo É vitimismo